O Salvador de Zvenigorod

 

A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE MONÁSTICA E A IGREJA NA VIDA CONTEMPLATIVA

 

Conferência pronunciada pelo Abade Dom Armand Veilleux, OCSO, de Scourmont, na Bélgica na Abadia de Gethsemani a 25 de julho de 1996.

 

A palavra "contemplação" é uma palavra rica e bela. Também é ambígua, pois de várias maneiras tem sido compreendida na tradição cristã. A expressão "vida contemplativa" usada no título desta conferência, não tem a mesma ambiguidade. Expressa bastante bem o que considero ser uma das mais importantes dimensões da contemplação. A contemplação, como eu a vejo, não é um ato isolado, algo como uma experiência de pico (peak experience) atingida só em ocasiões esparsas. Trata-se de um modo de vida.

 

Como cristãos, temos nossas raízes espirituais na experiência religiosa de Israel, e a principal característica da experiência religiosa do povo de Israel era ter percebido Deus como alguém presente em sua vida - suas vitórias e suas derrotas, suas alegrias e seus sofrimentos. Uma pessoa contemplativa não é só aquela que vê Deus, isto é, que vê Deus em tudo e em cada um, mas também uma pessoa que vê tudo e cada um com os olhos de Deus. A pessoa contemplativa é aquela que está profundamente presente a tudo que ele ou ela vive e experimenta.

 

O Deus da Bíblia e o Pai de Jesus Cristo não é alguém tão distante no Céu que não possa ser alcançado pelos seres humanos, nem alguém que se relacione com pessoas isoladas. Nosso Deus deseja estabelecer relações pessoais profundas com cada um de nós, mas sempre nos lembra que somos parte de um povo, de uma família de crentes, de uma família de nações. O Deus de Abraão, Isaac e de Jacó. O Deus de Jesus Cristo, que é o primogênito de uma multidão de crentes.

 

Por esta razão, existe uma relação essencial entre a vida contemplativa e a experiência da comunidade e de Igreja. Cristo é o Sacramento da Salvação, pois ele é a manifestação visível perfeita, a perfeita encarnação do desejo do Pai de salvar toda a humanidade. A Igreja, que é a comunidade daqueles que crêem no Cristo, é a manifestação visível da mesma realidade sob o sinal de uma comunhão visível e ativa em amor, fé e esperança. Receber a mensagem de Cristo é ser chamado a segui-lo com outros e a incorporar sua mensagem de amor universal em nossa vida de serviço, louvor e compaixão universal, com outros. Uma comunidade monástica é um modo particular de realizar esta missão e este sacramento.

 

Isto, é claro, pode ser vivido de várias maneiras. Falarei da experiência de uma tradição monástica cenobítica que segue a Regra de São Bento e que me veio através do modo cisterciense de vida.

 

A única maneira de falar sobre esta realidade é falar a partir da experiência. Poderia falar de minha própria experiência, partilhando com vocês meus desejos, meus sofrimentos e minhas falhas, mas também do meu comprometimento contínuo com esta busca contemplativa. Poderia também falar da experiência de todos aqueles que conosco partilharam o que eles tentaram viver, através de seu ensinamento e de seus escritos. E o corpo da literatura cristã e monástica sobre a vida contemplativa é muito grande. Escolhi, ao invés, apresentar-lhes a experiência de uma comunidade concreta de monges cristãos que recentemente alcançaram, através de seu martírio, a realização última de sua experiência comunitária contemplativa. Eles desenvolveram essa experiência através de vários anos de vida comum, e mostraram sua autenticidade enfrentando a morte juntos. O que eles viveram foi particularmente bem expresso num curto texto escrito por um deles.

 

Vocês já sabem que estou falando sobre a comunidade de Nossa Senhora de Atlas, na Argélia e sobre o testamento de Dom Christian de Chergé.

 

Aquela pequena comunidade monástica era uma comunidade tipicamente cristã, isto é, não um grupo de pessoas que tinham escolhido um ao outro, mas um grupo de pessoas que tinham escolhido a mesma vocação, ou melhor, que haviam sido chamados à mesma missão. A história da comunidade é complexa. Fundada como refúgio para um grupo de monges da Eslovênia em 1934, logo se tornou uma fundação regular de uma abadia francesa, quando a Argélia era ainda um território francês. O mosteiro sobreviveu à guerra da Independência da Argélia e à saída de quase todos os franceses do país. Num determinado momento, a Ordem pensou em fechá-lo, mas decidiu à época mantê-lo como uma presença contemplativa cristã numa sociedade muçulmana. A comunidade foi então repovoada com monges que vieram de várias comunidades e de diferentes tradições monásticas. Eram todos gente forte que haviam escolhido vir para a Argélia. Foi só através do diálogo, oração e atenção contemplativa às manifestações da vontade de Deus que eles alcançaram uma profunda e notável unidade que os conservou alegremente corajosos durante os últimos três anos de suas vidas.

 

Vamos agora olhar alguns aspectos de sua experiência através de algumas passagens do testamento de Dom Christian (que foi o texto escrito no dia em que as primeiras ameaças à sua vida foram feitas):

 

Se acontecer um dia - e poderia ser hoje -

em que eu me torne uma vítima do terrorismo que agora parece pronto a engolir

todos os estrangeiros que vivem na Argélia,

gostaria que minha comunidade, minha Igreja e minha família

se lembrassem que minha vida foi DADA por Deus e a este país.

 

Há aí vários elementos de grande significado nesta curta sentença. Christian queria que sua comunidade, sua Igreja, sua família lembrassem de algo. Sua vida não era uma relação solitária entre ele e Deus. Ele tinha consciência de pertencer a uma comunidade (minha comunidade), à Igreja (minha Igreja) e a uma família natural (minha família). Todas essas relações eram muito importantes para ele. Mas mais importante era o fato de que sua vida não lhe pertencia. Ela havia sido dada. E dada não só a Deus mas também àquele país que é a Argélia. Tudo aí é muito encarnado. Ele não possui sua própria vida; ele não possui sua comunidade, sua Igreja, sua família; ele renunciou a elas, mas elas permanecem importantes para ele. Eis aí um homem livre, pobre e puro de coração que pode ver a Deus.

 

Este desapego radical não é algo pronto e acabado de um dia para outro e feito sozinho. Era uma experiência comum que ele fez com o resto da sua comunidade. Nesta sua última carta circular, em dezembro de 1995, os irmãos de Atlas diziam, falando de uma possível morte: "a morte violenta de um de nós ou de todos nós juntos seria simplesmente a consequência lógica de todas as formas de renúncia que já fizemos: da família, do país, da comunidade , para seguir a Cristo."

Pois com estas formas de renúncia, a comunidade real de Christian e de seus irmãos compreendia não só os doze monges de Tibhirine e Fez, mas também dos membros de suas respectivas famílias e de todo o povo da Argélia que eles amavam.

 

Christian amava-os tanto que ele não podia desejar o martírio, uma vez que desejá-lo significaria que alguém que ele ama deveria cometer um terrível crime contra o Deus da vida.

 

Não vejo, de fato, como poderia me alegrar

se este povo que amo for acusado indiscriminadamente de meu assassinato.

Responsabilizar um argelino, quem quer que seja,

seria um preço muito alto para pagar para aquilo que talvez seja chamado "a graça do martírio",

especialmente se ele diz que agiu em fidelidade com o que acredita que seja o Islã.

 

Alguém que alcançou tal nível de pureza de coração é um real contemplativo. E esta é a profunda relação entre a vida comunitária e a vida contemplativa. Agora precisamos ler a parte mais importante do texto de Christian:

 

. ...minha mais ávida curiosidade será então satisfeita.

Pois isto será o que serei capaz de fazer, se Deus assim o quiser -

imerso meu olhar naquele do Pai,

contemplarei com ele seus filhos do Islã da mesma forma como ele os vê,

todos radiantes com a glória do Cristo,

o fruto de sua Paixão, e cheio com o Dom do Espírito,

cuja alegria secreta será sempre de estabelecer a comunhão

e de remodelar a semelhança divina, brincando com nossas diferenças.

 

Em tudo o que se tem dito e escrito sobre o diálogo inter-religioso, não penso que haja algo que tenha alcançado tal profundidade. Por outro lado, esta é a atitude contemplativa que deseja ver através dos olhos de Deus e contempla todos os filhos do Islã (do Budismo, do Hinduísmo, de Israel, etc.) como ele as vê, em sua beleza radiosa. Por outro lado, esta éa bela visão de um Deus brincalhão que tem secreta alegria em estabelecer comunhão, remodelando em cada um a semelhança original (Sua semelhança), jogando com as diferenças.

 

E então, Dom Christian agradece a Deus por sua vida:

Por esta vida perdida, totalmente minha e totalmente deles,

agradeço a Deus que parece tê-la desejado inteiramente

para esta ALEGRIA em tudo e a despeito de tudo.

Neste AGRADECIMENTO, que resume minha vida inteira a partir de agora,

certamente incluo vocês, amigos de ontem e de hoje,

e vocês, meus amigos deste lugar,...

 

E então vem a parte mais misteriosa e mais bela do texto. No início do Testamento existe uma espécie de subtítulo : "Quand un A-Dieu est en-visagé" (A palavra francesa A-Dieu é muito mais forte do que o equivalente inglês "farewell", e há um jogo de palavras pois envisagé quer dizer contemplado, mas também pode significar, na linha de pensamento de Lévinas, en-visagé, isto é algo que recebeu um visage, ou que foi transformado num visage (rosto).

 

Com isto em mente, podemos entender a parte final da mensagem, onde Christian fala da pessoa que poderia tirar-lhe sua vida:

 

E também você, o amigo do meu momento final,

que não terá consciência do que estiver fazendo.

Sim, quero AGRADECER a você e este "A-DEUS" "en-visagé de toi", isto é, recomendando-o a Deus que assumiu um rosto em você

(ou em quem eu verei a face de Deus).

 

Esta capacidade de ver a face de Deus, a encarnação de Deus na pessoa que está cortando sua garganta é certamente o fruto de uma profunda vida contemplativa vivida na relação profunda com um grupo de irmãos, com uma Igreja e com toda a família humana.

 

A Comunidade de Nossa Senhora de Atlas era uma comunidade monástica pequena comum, vivendo uma vida de solidão, oração, trabalho e silêncio. Quando se tornou perigoso aos estrangeiros e especialmente aos cristãos permanecer na Argélia, e quando foram convidados a sair, várias pessoas disseram aos monges: "Vocês deveriam partir. Compreendemos que os missionários queiram ficar para continuar seu trabalho de evangelização, mas não existe razão alguma para que vocês fiquem, uma vez que podem continuar sua vida de oração em qualquer outro lugar. Rezar aqui ou rezar na França é a mesma coisa." Tal raciocínio não fazia nenhum sentido para qualquer destes monges. Pois eles viviam aquela vida de oração por tanto tempo junto e naquele lugar que não só haviam se unido profundamente como comunidade, mas haviam criado laços profundos com a Igreja local inteira, por um lado, e também com um grupo de muçulmanos devotos, especialmente uma comunidade sufi, que regularmente vinha ao mosteiro para refletir e rezar com eles. Haviam também desenvolvido laços profundos de amizade com a população local, ao ponto de permitir aos muçulmanos do lugar usar um prédio do mosteiro como mesquita do vilarejo.

 

Tudo isto tem algo a ver com a vida contemplativa? Claro que sim. Foi sua presença, não como indíviduos, mas como uma comunidade cristã num mundo muçulmano que os capacitou gradualmente a ver a Deus - não um Deus abstrato, mas um Deus que se tinha "en-visagé", isto é, que havia assumido uma face em cada um dos irmãos muçulmanos, incluindo aquele que poderia cortar-lhe suas gargantas.

 

E a história não parou com sua morte. Pois devido àqueles monges muito humildes e simples, e devido ao modo como viveram, milhões de pessoas, incluindo milhões de muçulmanos da Argélia, viram algo da face de Deus neles. A vida contemplativa não tem fronteiras.

 

Getsêmani, 25/7/1996.

Armand Veilleux

 

OS MÁRTIRES CISTERCIENSES DE ATLAS

Testamento de Dom Christian de Chergé

Aberto no Domingo de Pentecostes de 1996

 

"Quando se tem de enfrentar um A-DEUS...

 

Se acontecer um dia - e poderia ser hoje -

em que eu me torne uma vítima do terrorismo que agora parece pronto a engolir

todos os estrangeiros que vivem na Argélia,

gostaria que minha comunidade, minha Igreja e minha família

se lembrassem que minha vida foi DADA por Deus e a este país.

Peço-lhes que aceitem que o Único Mestre de toda vida

não desconheceu esta partida brutal.

Peço-lhes que rezem por mim:

pois como poderia ser eu digno de tal oferta?

Peço-lhes que consigam ligar esta morte às muitas outras mortes

que são da mesma forma violentas, mas esquecidas pela indiferença e o anonimato.

Minha vida não tem mais valor do que qualquer outra.

Nem também menos valor.

Em qualquer caso, ela não tem a inocência da infância.

Vivi o bastante para saber que sou também um cúmplice no Mal

que parece, infelizmente, prevalecer no mundo,

mesmo naquele mal que me mataria cegamente.

Gostaria que, quando vier o tempo, ter o momento de lucidez

que me permitira pedir o perdão de Deus

e de todos os seres humanos meus amigos,

e ao mesmo tempo perdoar com todo meu coração aquele que me matará.

Não desejo tal morte.

Parece-me importante declarar isto.

Não vejo, de fato, como poderia me alegrar

se este povo que amo for acusado indiscriminadamente de meu assassinato.

Responsabilizar um argelino, quem quer que seja,

seria um preço muito alto para pagar para aquilo que talvez seja chamado "a graça do martírio",

especialmente se ele diz que agiu em fidelidade com o que acredita que seja o Islã.

Estou consciente da pecha que será jogada a todos os argelinos indiscriminadamente.

Também tenho consciência da caricatura do Islã que um certo islamismo encoraja.

É fácil salvar a própria consciência identificando-se nesta via religiosa com as ideologias fundamentalistas de seus extremistas.

Para mim, a Argélia e o Islã são algo diferente: so um corpo e uma alma.

Disse isto bastante frequentemente, creio eu,

sabendo que recebi aqui mesmo o verdadeiro caminho do Evangelho,

aprendido no joelho de minha mãe, minha primeira Igreja de fato,

na própria Argélia, e já inspirada com respeito por crentes muçulmanos.

Minha morte, claramente, parecerá justificar

aqueles que me julgam apressadamente ingênuo ou idealista:

"Deixe-o dizer-nos agora o que ele pensa sobre isto!"

Mas estas pessoas precisam compreender que minha mais ávida curiosidade será então satisfeita.

Pois isto será o que serei capaz de fazer, se Deus assim o quiser -

imerso meu olhar naquele do Pai,

contemplarei com ele seus filhos do Islã da mesma forma como ele os vê,

todos radiantes com a glória do Cristo,

o fruto de sua Paixão, e cheio com o Dom do Espírito,

cuja alegria secreta será sempre de estabelecer a comunhão

e de remodelar a semelhança divina, brincando com nossas diferenças.

Por esta vida perdida, totalmente minha e totalmente deles,

agradeço a Deus que parece tê-la desejado inteiramente

para esta ALEGRIA em tudo e a despeito de tudo.

Neste AGRADECIMENTO, que resume minha vida inteira a partir de agora,

certamente incluo vocês, amigos de ontem e de hoje,

e vocês, meus amigos deste lugar,

junto com minha mãe e meu pai, minhas irmãs e irmãos e suas famílias --

cem vezes me foi dado a mais como prometido!

E também você, o amigo do meu momento final,

que não terá consciência do que estiver fazendo.

Sim, quero AGRADECER a você e este "A-DEUS" é para você

em quem eu verei a face de Deus.

E possamos nós dois encontrarmo-nos, os felizes bons ladrões no Paraíso,

se isto agradar a Deus, o Pai de ambos... Amém! In sha'Allah!"

 

 

Algiers, 01 de dezembro de 1993 - Tibhirine, 01 de janeiro de 1994.

Christian+

 

Traduziu: Cecilia Fridman, Rio Negro, PR, Brasil para o Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo, 1999.